O estilo de design, baseado no “espírito livre” e na liberdade, exala conforto e acolhimento

O Boho design tem seu valor revelado pouco a pouco – como se cada tom, objeto, e mobiliário encontrado em uma composição fosse apanhado ao longo de uma viagem no tempo. No entanto, sua beleza está no fato de que tudo tem o seu devido lugar como em uma perfeita colcha de retalhos. Criativo e colorido, mundano e eclético, o aspecto despreocupado é também caseiro e acolhedor.

Nascido com uma vibração de espírito livre, o Boho design surgiu no início do século XX, especificamente na Inglaterra, Áustria e França – como parte de um movimento de artistas nômades, que hesitaram sobre as convenções e abraçaram um estilo de vida criativo provocativo à tradição. A estética “foi uma reação aos arranjos de vida mais formais que tinham tido lugar anteriormente”, diz Alexander Doherty da Alexander Doherty Design, sediada em Nova Iorque e Paris.

Clare Louise Frost, co-proprietária da Tamam, uma linha de têxteis e decoração em Manhattan, descreve-a como “uma versão de design de um estilo de vida urbano, itinerante, artístico e intelectual, que favoreceu a arte e o trabalho criativo, acima de uma vida dirigida por ganhar dinheiro e adquirir conforto de status. É um estilo de design que favorece o trabalho de amor e a peça recolhida em detrimento dos modelos mais tradicionais”, diz Frost.

 

Uma sala de estar no estilo Boho Chic desenhada por Jessica Davis

 

“Vejo o Boho Chic como um modo de vida mais do que uma estética de design”, diz Michelle Salz-Smith, fundadora do Studio Surface, uma empresa de design em Del Mar, Califórnia. “Estamos todos, mais do que nunca, ansiosos por essa liberdade de espírito. Há nele um sentimento de curiosidade, aventura e poesia”.

Em camadas e cheio de vida, a decoração ao estilo boho foi expressa através de elementos textuais como xales drapeados, cores ricas nas paredes e sem formas tradicionais de design.

 

“Havia muitas formas que não combinavam e a sensação geral de que qualquer coisa funcionaria”, diz Doherty. “As paletas de cores estavam muito saturadas de púrpura, laranjas, chocolates, e outros tons de jóias”.

 

Depois da década de 1920, o Boho design quase desapareceu; no entanto, voltou com força total nos últimos 20 anos com um estilo mais moderno, diz Doherty. “Agora, é muito mais eclético e denota um estilo de vida muito informal com achados de mercado das pulgas, misturados com antiguidades”.

Em sua essência, o efeito é acolhedor, eclético e atmosférico, diz Laurie Blumenfeld-Russo da Laurie Blumenfeld Design em Nova Iorque. “É um sentimento como se os artistas estivessem lá – como se tivessem sido transportados para outra época. Olhando o espaço e querendo aprender as histórias por detrás das peças”, diz ela. Tecendo juntos um visual sobre a sua vida, é preciso contar algumas histórias nos detalhes do design.

 

Uma vista de perto da sala de estar desenhada por Jessica Davis mostra como funciona a arte colorida em camadas.

 

Misturar, não combinar

Os elementos essenciais do Boho Chic incluem toques artísticos, um uso sem falhas de cor e padrão, uma sensação de ludicidade e itens que são significativos para o proprietário, diz Elisabeth Rogoff, diretora da Champalimaud Design em Nova Iorque. 

 

“Deve haver uma facilidade em tudo isto e uma mistura de peças de vários estilos e padrões e, em todos os tamanhos e escalas, bem como uma mistura de materiais e texturas”, diz Elisabeth Rogoff.

 

A mistura de antigo e contemporâneo é uma das melhores formas de conseguir o visual. Isto significa combinar heranças familiares com coisas que recolheu ao longo do caminho; objetos de decoração adquiridos em viagens ou em volta do quarteirão, diz Frost. “Certifique-se de que o quarto tem uma sensação de calor e completude, sem mergulhar na desordem”. As peças antigas e vintage são ideais, mas a qualidade e condição são uma consideração, especialmente para peças como almofadas que serão muito utilizadas, diz ela. Considere montar e emoldurar tecidos antigos nas paredes e incluir estantes transbordando livros, bem como uma variedade de obras de arte. 

Outra forma de criar um espaço versátil e confortável é mesclando objetos interessantes, tecidos e mobiliário, diz Sarah Henry, diretora administrativa da La Manufacture Cogolin, com sede em Paris. “Os tapetes são essenciais, e se houver muitos padrões arrojados no chão, é melhor ter menos mobiliário, ou vice-versa”, diz ela.

Para dar profundidade ao espaço, Rogoff sugere manter um ou dois temas principais de cor, particularmente para as peças de maior dimensão. “É essencial ter em mente uma história de cor como base da paleta da sala e depois construí-la, não tendo em mente uma cor, mas confiando numa mistura de texturas e padrões para ativar o sua personalidade”, diz ela.

Não tenha medo da cor – e da mistura de cores que normalmente se pode pensar que não combinam, diz Jessica Davis do Atelier Davis, um estúdio de design sediado em Nova Iorque e Atlanta, e certifique-se de que também terão muitas texturas naturais.

 

Uma área de escritório por Alexander Doherty, que gosta de incorporar as peças colecionadas

 

Que haja camadas

O Boho traz vida ao espaço por conta de sua versatilidade. “Você pode escolher objetos que têm uma história e a sua casa, de repente, conta este capítulo”, diz Doherty. A sobreposição é uma forma ideal de conseguir manter a atenção de um olhar. “Também lhe permite ser inspirado por muitas regiões diferentes”, diz ele. Por exemplo, tecidos do Médio e Extremo Oriente, mobiliário da Europa, ou acessórios da Ásia. “Itens escolhidos a dedo podem ser Boho, mas sofisticados ao mesmo tempo”, diz Doherty.

Os principais componentes do Boho Chic são o conforto e a usabilidade, uma mistura do antigo e novo, padrões, texturas, e itens de lugares onde já esteve, diz Frost. “Luz e  almofadas onde precisar, um baú de viagem que se usa como mesa de café”, diz ela.

O uso de diferentes padrões, texturas, cores e acessórios interessantes pode dar profundidade a uma sala, e refletir as viagens e a cultura do proprietário em um ambiente descontraído, diz Henry. Ela recomenda que se utilize almofadas para a aplicação de padrões. “Mesas laterais de madeira e bancos interessantes podem trazer um tipo diferente de textura e escultura a uma sala”, diz Henry.

Blumenfeld-Russo sugere a combinação de uma base neutra com uma peça de afirmação contemporânea (tapetes ou mobiliário) e a colocação de camadas em uma coleção de objetos bem curados, tais como olaria, esculturas ou cestos.

“Embora a decoração e o estilo Boho caia no espectro maximalista, o meu objetivo é equilibrar o design com o mínimo de toques, seja uma peça de mobiliário de linhas limpas ou a tela de uma parede branca. A sala deve ser plural, mas também ter espaço para respirar”, diz ela.

 

“Embora a decoração e o design Boho caia no espectro maximalista, o meu objetivo é equilibrar o design com o mínimo de toques, seja uma peça de mobiliário de linhas limpas ou a tela em branco de uma parede branca. A sala deve ser eclética, mas também ter espaço negativo e espaço para respirar”, diz ela.

 

Um dormitório acolhedor de Laurie Blumenfeld-Russo

 

Brinque com o Patterning

Acrescentar vida é tanto sobre o uso da cor como também sobre o uso de estampas. Frost sugere a utilização de estampas e bordados franceses ou britânicos, tais como florais abstratos. “Nada muito palaciano ou rígido”, diz ela. “O Boho é um estilo urbano”, diz Frost.

Salz-Smith adora estampas espanholas que relembram os tempos da antiguidade; “um bom tecido de chintz para acrescentar um inesperado sabor botânico”. Por vezes, ela dá um toque a um artista urbano tanto para gráficos de interior, como de exterior, que são singulares para a casa.

O truque é utilizar figuras de diferentes tamanhos e formas, tais como uma pequena estampa de bloco indiano combinada com uma grande risca de cabana, para que não concorram, diz Davis. “O patterning tem tudo a ver com escalas variáveis e encontrar um elemento, quer seja uma cor, um tema ou uma textura que, inconscientemente, faz com que tudo se ligue de uma forma fácil”, diz Rogoff. “Elevar o olhar usando uma visão artística que compreenda as relações de cor e escala. Respeitem a ideia de que as peças bonitas se complementam umas às outras, por mais diferentes que sejam”.

 

Fator de Conforto

O olhar deve evocar a geografia de uma vida, diz Salz-Smith. “Adoro a ideia de casa como autobiografia, especialmente quando trabalhamos em segunda e terceira casas que devem transmitir uma história, diz ela. “Esqueça o planejado e perfeito; estas casas refletem um espírito de harmonia, uma ligação emocional com o lugar, o tempo e a cultura”. Ela prefere móveis confortáveis de designers, incluindo Croft House e Michael Robbins. “Nada de cadeiras giratórias”. Nunca queremos que os clientes digam: ‘Tenham cuidado ao sentarem-se sobre isso'”.

As texturas nos tecidos também devem ser inteiramente orientadas para o conforto, diz Frost. “Um xale de caxemira no sofá para se aconchegar com um livro, ou almofadas que não combinam entre si, mas estão na mesma família de cor”, diz ela. “Também penso em texturas quentes, não no brilho da seda, mas no calor e no toque do algodão, linho ou lã”, diz ela.

 

“Uma sala Boho Chic é íntima e não um espectáculo para os convidados”, diz Frost. Ela recomenda a utilização de mobiliário num estilo britânico ou mais clássico, em vez de um visual modernista e elegante. As mesas de café e mesas laterais podem ser feitas em nogueira ou cerejeira, ou usar mesas de latão ou de cobre onde for necessário. “Confortáveis sofás de chita, poltronas listradas, kilim ottomans; misturar rattan ou couro, fibras, superfícies, e texturas. Pense no calor, pense no conforto, pense na leitura do seu romance favorito e no seu lugar ideal para o fazer”, diz Frost.

 

Um espaço concebido por Michelle Salz-Smith, que diz ver o Boho Chic como um modo de vida, em vez de um estilo de design.

 

Quer saber sobre imóveis de alto padrão mobiliados ou com projetos de arquitetos renomados?  Entre em contato com a Bossa Nova Sotheby’s e fale com um de nossos consultores. 

Adaptação | Reside

 

Leia também
Coastal Style
Pantone 2021
Verde que te quiero verde
Hollywood dá o tom na decoração
Nesting, cocooning e cozy living: conforto agora é prioridade na decoração