O design minimalista pode ser inspiração para a criação de ambientes elegantes e acolhedores

 

Quando se pensa em “minimalismo”, as chances são, com desculpa do trocadilho, mínimas. E o que você vê pode ser uma imagem estéril. Embora a ideia de minimalismo na decoração certamente tenha seus méritos (livrar-se da desordem, ganhar simplicidade e ter ambientes mais espaçosos), para muitos o conceito – e alcançá-lo – pode parecer inacessível. Mas e se você pudesse evocar um sentimento minimalista, mas que ao mesmo tempo também fosse aconchegante?

“Muitas pessoas têm a concepção errada de que minimalismo e poucos itens são a mesma coisa. Isso não é verdade”, diz Ximena Rodriguez, presidente e diretora de design de interiores da CetraRuddy em Nova York. “O minimalismo e o calor não têm que ser princípios contraditórios”. Para nós, uma paleta de cores neutras, materiais e texturas são os blocos de construção do minimalismo quente”, diz ela.

Em sua essência, e quando bem projetada, uma casa minimalista oferece um ambiente calmante e uma sensação de serenidade, diz Rodriguez. “Um ambiente mais limpo cria mais espaço para que sua mente se concentre em ideias positivas, objetivos ou tarefas”.

Trazer a sensação de calor e acolhimento é uma questão de priorização, de hierarquia. Como diz Michael Rath, CEO, proprietário e diretor de serviços de design da Trilogy Partners em Frisco, Colo., “O caminho para a simplicidade é um inventário cuidadoso do que é mais importante e do que não é, onde o que é importante assume seu espaço e o que não é não tem lugar”.

 

Nina Magon adere a matizes e texturas complementares para criar um minimalismo interessante.

 

Apartamento | Itaim | São Paulo

 

Selecione cuidadosamente a paleta de cores

Embora pareça uma prática padrão, os espaços minimalistas não precisam ser brancos. “A cor tem um grande impacto no humor, e estamos vendo um movimento para longe dos brancos mais brilhantes e em direção a tons neutros mais quentes que oferecem um efeito calmante”, diz Rodriguez.

Da mesma forma, a arquiteta Elisabeth Post-Marner, diretora da Space Smith em Nova York, prefere usar cores neutras e texturizadas, que incutem uma sensação de calma. “Manter a paleta ‘silenciosa’ permite combinar cores diferentes”, diz ela.

Os espaços minimalistas também não precisam ser monocromáticos. O pós-Marner opta por uma vibração tonal ou usa cores da mesma família. Para móveis, isto pode significar o uso de acabamentos em cereja e nogueira, que vivem na mesma família de castanho médio ou uma gama de tons neutros e texturas que se complementam.

O Rath também vai para os neutros, mas acrescenta uma explosão de cores aqui e ali. Ele parece também ter contrastes calmantes, tais como acabamentos mais leves de madeira de grão reto com um fundo cinza-carvão.

Para manter uma vibração elegante e consistente, e promover um fluxo coeso, Nina Magon, do Nina Magon Studio em Houston, usa um trio de tonalidades que são similares em sombra e tom e incorpora uma gama de texturas tonais. “Para criar camadas visuais que acrescentam calor e riqueza sutil, adere a um certo grupo de tonalidades complementares e traz uma gama de texturas e tecidos diferentes para o interesse visual”, diz Magon.

Casa | California | Estados Unidos

 

Adicione dimensão

A textura é uma das formas mais fáceis e eficazes de fazer com que um espaço se sinta mais convidativo. “A mistura de textura é essencial para criar um espaço quente e interessante”, diz Samantha Gallacher, co-fundadora do IG Workshop, um laboratório de design de interiores com sede em Miami e fundadora da Art+Loom, uma linha de tapetes artesanais. Pense em têxteis, como tapetes e tratamentos de janelas, e texturas em camadas (papel de parede texturizado, tecelagem em móveis), diz ela.

Os tapetes em particular acrescentam interesse visual, dimensionalidade, calor e textura sem desorganizar um espaço ou tirar a beleza nua do minimalismo, diz Magon. Incorporar algumas texturas diferentes pode ajudar a manter um espaço variado e bem-vindo – especialmente se as cores forem neutras e complementares, diz Rodriguez. “É aqui que os materiais desempenham um papel. Para cozinhas e banheiros, agora há interesse em pedras que apresentam padrões e cores únicas, como os tons azul e verde, que trazem uma sensação muito mais quente do que um mármore branco padrão”, diz Rodriguez.

Gallacher dá vida à paleta de cores usando uma gradação de neutros em um espaço por meio de elementos naturais como madeira, mármore e concreto. A iluminação também entra em jogo. “A iluminação que é oculta ou integrada em carpintaria, por exemplo, pode ser muito minimalista, mas também pode se ajustar ao longo do dia para combinar com os ritmos circadianos e ter uma influência positiva no humor”, diz Rodriguez.

Rath recomenda os orgânicos, como madeira e couro. “A madeira e outros produtos orgânicos introduzem padrões naturais sutis que são interessantes de se ver. O brilho é relaxado, não brilhante, e de aparência mais quente. Madeiras de grão reto e mais simples na cabeleireira são o caminho a seguir”, diz ele.

As obras de arte também podem trazer um sentido de dimensão, interesse e textura. “Apresentar sua obra de arte favorita, ou alguns acessórios curados exibidos em momentos menores, pode contribuir muito para acrescentar estilo e calor”, diz Rodriguez. E quando bem colocada, a arte acrescenta personalidade e faz com que o espaço se sinta como em casa, diz Anne Carr da Anne Carr Design em Los Angeles. “Embora você não queira um excesso de acessórios, certifique-se de incorporar toques pessoais, como vasos, fotos emolduradas e livros de mesa de café”, diz ela.

Casa | Denver | Colorado



Apartamento | Vila Leopoldina | São Paulo

 

Aposte no verde

“As plantas trazem vida e energia, e suas cores ricas são maravilhosamente contrastadas contra uma simples paleta neutra”, diz Rath. Elas também emprestam uma sensação de tranquilidade e uma conexão com a natureza que tem benefícios comprovados à saúde como a purificação do ar, diz Rodriguez. “Se sua casa oferece grandes vistas de uma paisagem verde natural, você pode não precisar de muito verde dentro de seus espaços interiores. Mesmo assim, são necessárias apenas algumas plantas estrategicamente colocadas para trazer essa sensação de natureza para sua casa de uma forma que contribua para um clima minimalista e aconchegante”, diz ela.

Rodriguez também prefere incorporar o verde em varandas ou outros espaços internos/externos. “O paisagismo ou a adição de plantios nestas áreas integra visualmente a natureza em seu espaço de moradia sem aglomeração e desordem da casa”, diz ela.

A pós-Marner adora incorporar filodendros, em particular, mas com moderação. “Ao comprar plantas, uma filosofia minimalista também deve ser usada. Um filodendro de um metro e meio de altura em uma sala de estar, em oposição a cinco plantas menores”, diz ela.

Uma casa contemporânea projetada pelo estúdio Nina Magon

 

Desordem Organizada

O primeiro princípio do minimalismo é um espaço sem desordem. Para isso, o armazenamento é essencial. “Ele deve estar em toda parte e ainda não é óbvio”, diz Rath. “Recomendo incorporar superfícies embutidas que escondem tudo com a opção de abrir e agarrar sempre que você precisar”.

“A beleza do design minimalista é o ‘menos é mais estético’, então quanto menos desordem for visível, melhor”, diz Magon. Ela sugere elementos de armazenamento escondidos como bancos, ottomans, peças de móveis com gavetas, e embutir o trabalho de carpintaria em conceito aberto.

Ser criativo com o armazenamento é a chave para um projeto minimalista de sucesso, diz Rodriguez. “Gostamos de encontrar maneiras de esconder o armazenamento dentro de nossos designs para uma sala, integrando armários em painéis de parede, por exemplo”.

Uma sala de jantar com toques de cor da Ximena Rodriguez.

 

Um lounge por Elisabeth Post-Marner, sediada em Nova York.

 

Quer conhecer nossas oportunidades de imóveis de alto padrão decorados? Entre em contato com a Bossa Nova Sotheby’s e fale com um de nossos consultores.

 

Adaptação | Reside

 

Leia também:
As tendências da CasaCor SP 2021
Marcenaria contemporânea inteligente
Tactile design: arquidecor para ver, tocar e sentir
Design japonês: minimalismo atemporal está em alta
Japandi: conheça o novo estilo de decoração e saiba como aplicá-lo