A troca de dívida, também conhecida como portabilidade de crédito, é uma ótima forma de substituir um débito caro por outro mais barato.

Por Credihome

Com essa pratica, você pode pagar a dívida integralmente e os juros altos são substituídos por juros mais baixos. Pode ser uma ótima opção para sair do sufoco!

Também é uma opção se você deseja organizar suas finanças e se livrar das dívidas de uma vez por todas. Isso porque o risco de permanecer inadimplente diminui e a saúde financeira melhora. E, aí, é só sucesso.

Para responder todas as suas dúvidas sobre o tema, continue lendo este texto!

 

Como funciona a troca de dívida?

A troca de dívida é o processo de substituir um débito caro, com altas taxas de juros, por outra opção mais barata. E pode ficar tranquilo, pois essa opção é legal, regulamentada pela Resolução nº 4.292 do Banco Central, e é muito comum no mercado.

Assim, você pode buscar melhores condições de pagamento e garantir vantagens como maiores números de parcelas, valores e taxas de juros menores e mais economia.

 

Por que fazer uma troca de dívida?

Efetuar uma troca de dívida ajuda a impedir que as suas dívidas se tornem tão altas a ponto de criar uma bola de neve em suas finanças, já que débitos com juros altos ficam maiores em pouco tempo.

Por isso, a troca de dívida pode ser o marco inicial de uma nova organização financeira. Assim, fica mais fácil deixar as contas em dia, sem comprometer todo o orçamento mensal e guardando dinheiro para uma eventual emergência.

 

Quando a troca de dívida vale a pena?

A portabilidade de crédito só é aconselhável quando os fatores, externos e internos, forem favoráveis. Deve-se levar em consideração a economia do país e a organização financeira, por exemplo. Veja quando vale a pena trocar de dívida:

 

1 – Economia do país

A economia do país é um fator que pode ser favorável para a troca de dívida. Isso porque, se você contraiu a dívida durante alguma crise financeira, é possível que os juros na época eram maiores e que, com a melhora da economia, eles tenham ficado menores.

Se a economia estiver em um momento bom, considere a portabilidade de crédito para melhorar a sua vida financeira.

 

2 – Organização financeira

Uma dívida alta pode deixar muitas pessoas nervosas, mas é também um ótimo momento para fazer pesquisas e pensar em soluções para a situação. 

Trocar de dívida é uma boa ideia para organizar as despesas, cortando gastos mensalmente e buscando maneiras de viver uma vida mais saudável financeiramente.

 

3 – Limpar o nome

Trocar de dívida também vale a pena quando você está com o nome sujo e quer regularizar essa situação. O importante nesse caso é encontrar um empréstimo que tenha uma boa taxa de juros, para garantir que a troca seja positiva para sua saúde financeira.

 

Como fazer uma troca de dívida?

Como você viu, trocar de dívida vale a pena em diversas situações. No entanto, é importante pensar bem antes de fazer uma portabilidade de crédito. Afinal, você quer organizar seus débitos e não atrair ainda mais problemas para sua vida financeira, não é?  Veja abaixo como fazer a troca de dívida:

 

Organize suas dívidas

Para iniciar o processo, é importante que você organize suas finanças. Faça o levantamento de todas as suas dívidas e as taxas de juros incidentes sobre elas. Afinal, trocar de dívida significa que você ainda terá um débito a pagar, mesmo que ele seja menor.

Para isso, você vai precisar descobrir qual o Custo Efetivo Total (CET) de cada débito para saber quanto será pago no final, com os juros e outros encargos. 

Leia nesse texto algumas dicas que demos para você se organizar financeiramente da melhor forma.

 

Analise seus débitos

Depois, some todas as dívidas, considerando seu CET e listando-as da mais cara à mais barata. Isso significa analisar tudo o que você deve, como aluguel, contas de luz e água, além das dívidas propriamente ditas. 

Isso é para ter certeza do quanto você gasta com cada coisa. Feito isso, avalie quanto tempo vai demorar para quitá-las e qual o seu peso no orçamento mensal.

 

Examine as opções disponíveis

Depois de fazer toda essa sondagem das suas dívidas, é o momento de examinar as opções de empréstimo disponíveis e que apresentem CET menor que os débitos atuais. De modo simples: se o custo efetivo for menor, é uma boa ideia fazer a troca de dívida.

Uma excelente opção é utilizar o crédito com garantia de imóvel, já que ele é o empréstimo com os menores juros do mercado! Afinal, se a ideia é trocar uma dívida com juros altos por outra com melhores condições de pagamento, o também chamado home equity é o ideal.

Você pode fazer uma simulação para compreender melhor como o crédito com garantia imobiliária pode melhorar a sua saúde financeira trocando de dívida. É só clicar aqui! 

 

Esperamos que você tenha entendido sobre como fazer uma troca de dívida para evitar juros altos e melhorar suas condições financeiras. Se este texto te ajudou, achamos que também pode gostar destes:

 

 

Quer saber mais sobre imóveis e mercado imobiliário de alto padrão? Entre em contato com a Bossa Nova e fale com um de nossos consultores.