Mercado

Home office no Caribe

À medida que as empresas ampliam as opções de trabalho remoto, paraísos tropicais no Caribe também recebem mais compradores de casas de alto padrão

 

Tanto compradores internacionais quanto locais “estão mais abertos a comprar essas casas e passar mais tempo por lá”, diz Sérgio Llach, presidente da Sotheby’s International Realty da República Dominicana, que trabalha principalmente com dois resorts de luxo de alto padrão na costa sudeste, a cerca de 35 minutos um do outro, o Puntacana Resort and Club e o Casa de Campo, com  7 mil acres, em La Romana.

 

Vista Chavon, No. 9 no resort Casa de Campo, na República Dominicana | Créditos: Dominican Republic Sotheby’s International Realty



“Somos os Hamptons da República Dominicana“, diz Sérgio Llach.

 

“A pandemia permitiu que as pessoas justificassem comprar uma casa aqui”, acrescenta Llach. “Com a capacidade de trabalhar remotamente, agora eles estão dispostos a colocar seus sonhos em prática.”

Os compradores dominicanos locais “agora passam um dia ou dois a mais” em suas casas de fim de semana nestes resorts, diz Llach. “Todo mundo hoje em dia quer um escritório. Eles querem poder trabalhar remotamente, e querem estar longe do barulho de uma casa de férias”.

Os preços nos dois resorts aumentaram cerca de 15% a 20% desde o início da pandemia, diz Llach, e o número de vendas aumentou cerca de 25%.

O mercado residencial de alto padrão continua forte, diz ele, citando um vendedor que recentemente anunciou sua casa por US$ 3,9 milhões, depois aumentou a oferta para US$ 4,7 milhões e fechou o negócio em US$ 4,2 milhões.

“O estoque que temos agora vende mais rápido”, diz Llach. “As pessoas pagarão preços mais altos por uma casa, porque não há uma grande seleção de imóveis para escolher”. Não é como costumava ser.

Neil Paine, sócio-gerente da St. Kitts & Nevis Sotheby’s International Realty, concorda com a avaliação de Llach sobre o mercado caribenho. “Certamente estamos vendo que as pessoas querem um lugar onde possam vir e trabalhar enquanto sua família se diverte, por assim dizer”.

“Para novos espaços de desenvolvimento, este é um grande foco”, diz Paine, que abriu os novos escritórios da St. Kitts & Nevis Sotheby’s International Realty em julho de 2021. 

 

“Mar dos Sonhos”, nas Ilhas Caiman, é uma mansão moderna e à beira-mar | Créditos: Ilhas Cayman Sotheby’s International Realty



As ofertas de imóveis para as duas ilhas são bastante distintas, diz ele. “Nevis é mais o que chamo de luxo rústico, com bolsões de vários bilionários pela ilha.” O resort Four Seasons em Nevis, inaugurado em 1991, “estabeleceu o padrão de qualidade para toda a ilha”.

St. Kitts é “mais populoso e possui uma concentração de imóveis de alto padrão na península do sudeste da ilha”, diz ele.

“A maior parte do inventário que temos são vilas de luxo de quatro a cinco quartos”, diz Paine, incluindo uma vila de cinco quartos e 16 mil m² na península a sudeste de St. Kitts, anunciada por US$16 milhões de dólares.

 

As duas ilhas executam um bem-sucedido programa para concessão de cidadania para compradores e investidores imobiliários.

 

Há dois níveis de preços – US$200.000 e US$400.000 – com prazos diferentes para quanto tempo você precisa manter a propriedade, explica Paine. Se você gastar pelo menos US$200.000 em uma casa, você precisa mantê-la por sete anos, e uma casa de US$400.000 precisa ser mantida por cinco anos. “Tivemos problemas com isso, especialmente fora da Ásia”.

Quanto à origem dos compradores de St. Kitts e Nevis, “temos muitos fora de Londres e da costa leste dos EUA”, diz ele. Os compradores de Nova York e Miami são grandes, e “temos um grande contingente fora de Toronto”.

Trata-se de uma divisão 60/40 entre norte-americanos e europeus (predominantemente do Reino Unido), com os americanos assumindo a maior parte, diz Paine.

Os compradores internacionais que Llach vê agora na República Dominicana são dos mesmos lugares que ele tem visto nos últimos anos: Miami, Nova Iorque, Toronto, Madri e Suíça.

Quanto ao que os compradores estão procurando, “eles estão procurando propriedades nas quais não precisam fazer nenhum tipo de reforma“, diz ele. “Durante a pandemia, eles estavam mais dispostos a comprar casas que pudessem precisar de atualizações, porque queriam comprar algo, e estavam dispostos a levar o que estava disponível”. Mas em geral, as pessoas não querem ter que fazer nenhum trabalho em uma casa. Elas querem se mudar para cá amanhã.

As opiniões são bastante importantes, diz Llach. “As pessoas querem estar no oceano, ter vistas para o mar ou querem estar em um campo de golfe”. As pessoas querem áreas ao ar livre, que é o que mais temos aqui.

Os compradores estão dispostos a pagar por casas de altíssimo padrão que estão em excelentes condições, acrescenta ele.

Olhando para 2022, “os preços estão em alta e eu acho que eles continuarão a subir, ou pelo menos permanecerão muito firmes”, diz Llach.

 

Um resort boutique de luxo em Cockleshell Bay, no final da procurada, mas intocada, Península do Sudeste em St. Kitts | Créditos: St. Kitts & Nevis Sotheby’s International Realty

 

Quer saber mais sobre o mercado imobiliário de alto padrão no Brasil e no mundo? Entre em contato com a Bossa Nova e fale com nossos consultores especialistas no mercado internacional.

 

Adaptação  | Luxury Outlook 2022
 
 
Leia também:
Transnacionalização imobiliária
Portugal hoje, uma janela de oportunidade
Investir em imóveis alternativos é a nova tendência
Mercado imobiliário: por que ele é a bola da vez dos investidores?
Executivos de tecnologia lideram a compra de imóveis de alto padrão internacionais
Posts relacionados
Mercado

Sofisticação, boa localização e novas experiências abraçam a oportunidade do aluguel

Optar por um imóvel de alto padrão de locação traz inúmeras vantagens e pontos importantes a…
Ler mais
Mercado

Tecnologia e sustentabilidade no radar do mercado de luxo

Unindo o conforto, tecnologia e sustentabilidade, grandes marcas, como a Porsche, estão investindo…
Ler mais
Mercado

Rio, uma porta para o mundo

O Rio de Janeiro continua lindo e continua sendo a vitrine do Brasil no exterior. É uma localidade…
Ler mais