ArquidecorArquitetura e Decoração

Petit h: Hermès renovada pela reciclagem

Petit h dá nova vida a itens não utilizados em outras linhas da Hermès. Criações totalmente livres de artesãos, artistas e designers se tornam objetos únicos

 

 

Petit h, hora da recriação!
Petit h é uma promessa em si – uma promessa de criação de criatividade livre e lúdica. Seu trabalho não se baseia em uma ideia preconcebida, mas em materiais que outros métiers da Hermès não utilizaram. Ao combiná-los de mil e uma maneiras diferentes, artesãos, artistas e designers criam objetos únicos com formas e usos que proclamam em alto e bom som os desvios criativos que foram destinados a tomar. Isso é o que chamamos de criação ao contrário.
Manifesto

 

Um pedaço de couro que poderia ter sido uma bolsa Birkin transforma-se numa pulseira única. Os restos de seda de um lenço são transformados num vibrante par de cadarços.

Na Hermès, os materiais não utilizados não são desperdiçados. Em vez disso, tornam-se novos acessórios e itens sob a etiqueta Petit h da casa.

Petit h foi lançado em 2010 pelo ex-diretor co-criativo da Hermès, Pascale Mussard, tatara-tatara-neto do fundador Thierry Hermès. Em vez de descartar materiais que foram rejeitados na produção de bens Hermès devido a defeitos ou que iriam ser descartados, Mussard quis criar uma nova vida para eles.

 

“Um pedaço de cerâmica pode tornar-se um brinco, um painel de couro, um peso de papel em forma de cogumelo”, diz Mark Recker, diretor de relações públicas da Hermès.

 

Uma caixa de música da marca Petit h.

 

Fragmentos que contam uma história

Mussard serviu como diretor criativo da Petit h até 2018. O atual diretor criativo Godefroy de Virieu agora conduz o “irmão mais novo e atrevido” para a tradicional marca de produtos de luxo.

Uma vez designer de Petit h, ele agora lidera uma equipe de designers que deve encontrar inspiração para novas coleções a partir dos materiais que estão disponíveis para eles.

 

“A Petit h tem sido uma criação ao contrário desde o ponto de partida – não há nenhuma ideia preconcebida no processo de fabricação”, diz De Virieu. “Mãos hábeis e mentes inteligentes conseguem usar nossos materiais Hermès não utilizados e improvisar”.

De Virieu prefere pensar nesses materiais extras como fragmentos que contam uma história em vez de meros restos, e o foco dos projetistas é a funcionalidade e longevidade.

“Petit h escreve uma nova história enquanto mantém o DNA do material original”, diz ele. “Todos os materiais têm algo a dizer se soubermos como olhar para eles”.

Embora a natureza deste processo de design crie uma forma de exclusividade – cada objeto Petit h individual é único em sua forma, cor e padrão – ele também se tornou uma forma de Hermès priorizar a sustentabilidade.

 

Caixas de couro e porcelana paisagística.

 

 

Todos os materiais são valiosos

O processo de design da Petit h se tornou essencialmente uma forma de reciclagem de materiais descartados para criar novos produtos igualmente de alta qualidade. De Virieu diz que isto deriva das raízes da criatividade da casa e do respeito por seus materiais.

“Esta é uma resposta de senso comum à questão do desenvolvimento sustentável e da preservação de materiais excepcionais”, diz ele. “Todos os materiais são valiosos, mesmo aqueles que não são utilizados”.

À medida que a questão da mudança climática se torna mais crítica, a indústria da moda tem sido forçada a reconhecer seu impacto ambiental. A Petit h poderia ser pioneira no mundo da moda de luxo sustentável e dos bens com seus esforços propositais para reduzir o desperdício.

“Olhando para o que está acontecendo no mundo com problemas ambientais e desafios de sustentabilidade, devemos abordar estas questões com criatividade”, diz De Virieu.

A reimaginação dos materiais Hermès resulta em uma ampla gama de produtos de pequeno porte. Para moda e acessórios, há joias como pulseiras de couro ($345) e brincos de seda ($580), encantos de couro em cordões de seda ($220-$345) e um vestido de seda ($2.075). Quanto aos artigos domésticos, a Petit h criou um porta-velas de porcelana e cristal ($430), espelhos ($1.175-$1.350) e uma mesa lateral de alumínio e couro ($5.250).

“Todos os pequenos objetos são úteis e podem ser usados por muito tempo”, diz De Virieu. As coleções da Petit h estão disponíveis on-line, mas seu showroom fica na loja da Hermès em Paris, Sèvres.

Outra característica da Petit h é que toda coleção vai para a estrada. A cada ano, a nova coleção viaja para uma nova cidade e seu cenário é projetado por um cenógrafo local. A coleção deste ano viajou para Sydney em outubro, após sua estréia na boutique Sèvres, em setembro.

 

Quer conhecer propriedades que são verdadeiras obras de arte? Entre em contato com a Bossa Nova Sotheby’s e fale com um de nossos consultores.

 

Adaptação | Reside

 

Leia também: 

A beleza do Boho Chic

Combinação de metais

Minimalista, mas aconchegante

Design japonês: minimalismo atemporal está em alta

Japandi: conheça o novo estilo de decoração e saiba como aplicá-lo

Posts relacionados
Arquidecor

Móveis e acessórios de madeira se destacam como tendência internacional

Elemento atraiu olhares pela versatilidade na decoração. Expositores realçaram a madeira como…
Ler mais
Arquidecor

 Tendências para um ‘Infinito Particular’

Com um olhar único, a 31ª edição da CASACOR Rio, que segue até o dia 26 de junho, chegou para…
Ler mais
Arquidecor

Adegas para se inspirar

Sim! É possível criar um ambiente especial para apreciar um bom vinho. Por isso, selecionamos 5…
Ler mais