LIGHT in the night”, com curadoria de Francisco Rosa, apresenta o artista visual norte-americano KADE ao circuito cultural paulistano. A individual é composta por 50 pinturas, que apresentam o resultado de três meses de residência do artista no Centro Cultural Caza ZERØ na Vila Madalena. “Geometria, organicidades, ritmo, justaposição, sobreposição, a cor luz e a luz cor com várias nuances e matizes, num mesmo campo compositivo que sugerem, metaforicamente, uma dialética existencial…”, diz o curador.

A inserção de KADE no circuito artístico mundial é recente. Devido a um acidente que o manteve em repouso por um longo período há poucos anos, o artista teve a oportunidade de prestar atenção a detalhes do mundo a sua volta e seus olhos focaram nas tatuagens do ator Heath Ledgers quando assistindo a um documentário sobre ele que serviram como primeira inspiração para o início da sua trajetória criativa. Uma vez recuperado, conheceu um artista da República de Latvia – Vitaliy Yermolayev -, com o qual fez um curso, em 2019, que foi o seu primeiro contato com pintura invisível e técnicas de iluminação (invisible paint and illuminating techniques). Em visita recente ao Museu Van Gogh, o artista sentiu-se impactado tanto pelas obras como pela história de vida do artista; “seus autorretratos foram de grande influência porque são muito diferentes e você se vê de forma diferente em sua própria trajetória”, define o artista. “O que se revela no obscuro, ou que se vela na claridade de cada um? Nesse jogo de vela/ revela, seria o seu trabalho um Expressionismo abstrato, ou um Abstracionismo expressivo?”, questiona Francisco Rosa. De posse das novas informações e influências, conhecimento das novas técnicas, as consequências seguintes são óbvias: exposições na República de Latvia, New York, onde reside desde 2012, e agora sua primeira individual em São Paulo.

Com método de criação diferenciado, a técnica de “invisible paint” desafia o trabalho criativo do artista. Composta por, ao menos, dois momentos distintos, a obra possui dois resultados distintos dependendo da iluminação a qual é exposta. Em luz branca, normal, a percepção restringe-se apenas à um desenho ou pintura sobre canvas: pinturas ou desenhos, concretos ou abstratos, coloridos ou preto/branco. Tudo vinculado à serie pré-determinada por KADE. Em um segundo momento, o trabalho é submetido à interferências do artista com tinta invisível a qual gera uma obra totalmente única, agora completa, sob o mesmo suporte. A nova forma pictórica, a pintura final pensada pelo artista, só se torna visível quando submetida à luz negra. Nas palavras de KADE, “sendo bem transparente, quando estou pintando, é muito difícil planejar antecipadamente. Tenho uma ideia de como começar, mas, ao final, o resultado é totalmente inesperado e, em grande parte, nada ligado à ideia que tive no início”.

“Para mim, pinturas são como pessoas. Nós as julgamos à primeira vista tão logo as vemos pela primeira vez. Mas não temos nenhuma noção de quem é ou das experiências que já tiveram na vida….. Quando a iluminação muda na tela é que se vê a pintura completa que não era visível antes. E, como com as pessoas, você deve conhecê-las primeiro antes de prejulgá-las. Observá-las tantos a luz do dia como da noite”, define KADE.



Exposição: “LIGHT in the night”

Artistas: KADE

Curadoria: Francisco Rosa

Coordenação: Pedro Paulo e Tainara Afonso

Período: de 14 de janeiro a 8 de fevereiro de 2020

Local: Galeria ZERØ 

Endereço: Rua Simpatia, 23 – Vila Madalena – São Paulo/SP

Horários: Terça-feira a sábado, das 11 às 20h



KADE – Tenho 2.01m de altura, sou de uma pequena cidade no estado de Utah (USA) e possuo uma grande paixão por viagens. Morei em New York nos últimos de 2012 a 2018 e reconheço que fiz progressos e tive grandes conquistas nesse período, ao mesmo tempo que passei por momentos de profunda depressão desde muito jovem. O ano de 2018 incluiu muita pesquisa interior, um sério mergulho em minha alma e, em Setembro completei 30 anos, um marco importante. Para comemorar, me lancei em um desafio de passar por 30 países diferentes em 30 dias, com data final no dia do meu aniversário. Meta conquistada e um novo momento de vida. Estive em Latvia e, a partir da arte, estou escrevendo uma nova história de vida. A viagem foi registrada em um blog e convidei a todos a me acompanhar – #yoloip (you only live once in the presente – você só vive uma vez no presente)