Futuro, presente e passado ou em ordem inversa, passado, presente e futuro. Nenhum dos três se pode dissociar.

No Design de mobiliário, a influência escandinava está hoje, no tempo presente, evidente nas nossas casas através de uma linguagem clean.

É o minimalismo e a depuração que tornam o Design escandinavo atemporal. A permanência no tempo é considerada um dos valores base do Design nascido no norte da Europa, que continua no centro das tendências no Design de interiores e na produção de mobiliário.

Tudo começou nos anos 40, quando surgem criadores como Hans J. Wegner (1914-2007) ou Eero Saarinen (1910-1961). Estes são dois nomes determinantes e incontornáveis, considerados mestres visionários do Design escandinavo.

Wegner nasceu na Dinamarca e deu os primeiros passos como Cabinet Maker, ou carpinteiro. Era acima de tudo apaixonado pela madeira.

Mesa CH006 e cadeiras CH23, Hans J.Wegner para a Carl Hansen 

Hans J. Wegner era um criador compulsivo. Em um semana desenhou cinco cadeiras. Muitos desenhos ‘ficaram na gaveta’ à espera de recursos financeiros para serem editados.

As peças mais reconhecidas são as cadeiras CH24, ou Whisbone Chair e a CH25, em produção contínua desde os anos 50.

Saarinen era também arquiteto. Nasceu na Finlândia mas cedo emigrou para os Estados Unidos. No início da carreira, trabalhou em parceria com Charles Eames. Desenhou linhas de mobiliário que se tornariam ícones.

Pedestal Table e Womb chair, Eero Saarinen para a Knoll

Saarinen dividia o talento entre a escultura, a arquitetura e o Design de mobiliário. Os anos 50 foram os seus mais produtivos. A norte-americana Knoll edita a maioria do seu legado. A coleção Pedestal table e as cadeiras Tulip são exemplos desse Design atemporal.

A Carl Hansen, marca centenária fundada em 1908 na Dinamarca, tem até hoje a maioria dos direitos sobre os desenhos de Wegner. É ela que coloca em produção grande parte do seu legado.

Muitas das suas peças continuam a ser produzidas em madeiras claras como o freixo ou o carvalho. As linhas retas com que foram desenhadas jogam a seu favor, deixando respirar a luz no espaço, e ampliando os ambientes para que foram pensadas.

Foi assim com Wegner e com a maioria dos criadores escandinavos que continuam hoje a influenciar o Design de interiores.

Em ambos os casos, Wegner ou Saarinen, as peças dialogam entre si sem correr o risco de perder protagonismo.

Voltamos ao início do discurso para perguntar: O que fica depois dos mestres do Design Escandinavo? Certamente um futuro límpido que vai durar para a eternidade.

 

Imagem de destaque: Coleção cadeiras Hans J.Wegner para a Carl Hansen

 

Assinatura: QuartoSala – Home Culture