O mês de outubro foi marcado pelo aumento da volatilidade nos mercados internacionais e por uma excelente performance do mercado doméstico. O aumento da volatilidade teve como principal causa a abertura da curva de juros nos mercados desenvolvidos e preocupações sobre o recrudescimento da guerra comercial e seus impactos sobre a desaceleração das economias, notadamente a chinesa.  A divulgação de dados mais fracos em alguns setores americanos, bem como dados ainda fracos na Europa, também ajudaram nas preocupações. O alivio na última semana do mês ajudou a abrandar um pouco a má performance dos ativos no mês.

No Brasil, a despeito da alta volatilidade, o resultado final das eleições presidenciais veio bastante em linha com as expectativas tendo um impacto bastante positivo para a performance  dos ativos locais. Participantes do mercado atribuem expectava de uma agenda com propostas liberais, em linha com o nome forte da economia, Paulo Guedes e que com a nova base de apoio no congresso uma agenda de reformas, notadamente da previdência, e privatizações seja endereçada.

Continuamos a ter uma visão positiva sobre o comportamento dos mercados.