O mês de agosto foi marcado por desenvolvimentos no cenário internacional bastante relevantes.  A política monetária, na sequência do encontro de Jackson Hole e o Comércio Internacional, com o anúncio de aumento de tarifas à importação da China. O recrudescimento  da guerra comercial continua sendo o grande fator gerador de volatilidade para os mercados.

Em Jackson Hole, o principal evento econômico do mês, Jerome Powell deu uma palestra bastante elucidativa sobre a condução de política monetária nos EUA. Destacando os riscos externos da economia, Powell reduziu a temática de ajuste de meio de ciclo (marcante em sua aparição anterior) e voltou a afirmar que o FED atuará para sustentar o ciclo econômico americano. Assim, reforça-se a tese de que o FED voltara a cortar o juro em setembro e terá pouca resistência para um corte suplementar em novembro.

Em relação à Guerra Comercial, a guerra das tarifas continua. A China acabou de entrar com uma reclamação formal na WTO (world trade organization) contra as tarifas americanas. Ao longo da reunião do G7 (no final de semana passada) as notícias sobre avanços e retrocessos da negociação comercial entre ambas as partes foram difusas e, por vezes, controversos.

Na agenda internacional destaque para a divulgação de dados que corroboram com o cenário de desaceleração.

Nossas carteiras recomendadas (conservadora e moderada) sofreram um pouco, basicamente por conta das operações de RF. Já na agressiva o desempenho foi excelente, como retratada abaixo.

Agora no mês de setembro, demos início ao nosso novo fundo, o modalmais horus allocation, que replica nossa carteira recomendada de perfil moderado.

RONALDO BAETA GUIMARÃES