Fotografar e viajar sempre foram duas grandes paixões de Gigi Monteiro. Iniciou sua carreira fotográfica como autodidata, mas decidiu aprimorar sua técnica e conhecimento no meio acadêmico. Sempre inventiva no formato de seus trabalhos, a artista investe em recursos de ponta como impressões em papel algodão Hahneumühle, caixas de acrílico e sobreposição de tecidos, com efeito tridimensional. “Dedico-me ao trabalho sem pressa ou pretensão. E busco preservar o frescor dos primeiros passos, vibrando a cada nova etapa e fazendo daquele momento o mais importante que vivi até então”, conclui a fotógrafa.

No 23º Salon International d’Art Contemporain Paris, exibiu fotografias de grandes dimensões, com seu olhar poético sobre paisagens brasileiras, todas elencadas como Patrimônio Mundial da Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Entre os locais retratados, o Cristo Redentor (Rio de Janeiro/RJ), o Pantanal e a Mata Atlântica.

Cristo Redentor – Rio de Janeiro/ Nature Overlaps, 2016

Em “Cristo Redentor” – parte da série Nature Overlaps -, a terceira maior escultura de Cristo do mundo é retratada flutuando entre as nuvens sobre o Rio de Janeiro, vista que representa merecidamente um dos mais famosos cartões postais mundo afora. “Pôr do Sol” – vencedora do Prêmio Internacional de Arte Raffaello 2018, em Bolonha/Itália – revela, em tons quentes de dourado, o majestoso Pantanal mato-grossense, Reserva da Biosfera e Patrimônio Mundial da Unesco. Versão diurna do último trabalho, “Pantanal” também faz parte da individual e apresenta a diversa paleta de cores que compõem o visual desta impactante paisagem.

Mata Atlântica”, da série Natureza em Partes, é montada em mosaico composto de onze peças em diversos tamanhos, e chama atenção para este bioma de floresta tropical, um dos sete Patrimônios Naturais brasileiros declarados pela Unesco. O curador Ian Duarte Lucas define seu olhar: “(…), os trabalhos de Gigi nos propõem um reencontro. O reencontro com outro tempo: o tempo da Beleza. Importante e necessário exercício em um mundo que hoje tanto ressalta as diferenças, a fotógrafa mira suas lentes para um patrimônio que nos une, comum a todos nós

 

Foto de destaque: Mata Atlântica – Série Natureza em Partes, 2016

 

Curadoria de conteúdo: Silvia Balady / silvia@balady.com.br / @ssbalady