Inspirada na psicologia humana – desejos, sentimentos, percepções – , Fernanda Papa de Boer aborda, na série “Enquanto me Envolver” em exposição na Galeria VilaNova, uma temática que nos remete ao imaginário e ao estranho, “tanto do lugar, quanto do personagem, até dos objetos e formas”, comenta a artista. “Busco dirigi-los (espectadores) para os meus caminhos do inconsciente“. Composta por peças inéditas, a série explora um trabalho cujos temas e cores se desconectam daquilo que temos como realidade, o que tira o visitante do conforto ao colocá-lo frente a situações de estranhamento. “Por outro lado, o magnetismo é imediato e o desejo de entender (ou apenas admirar) o subconsciente da artista aumenta na proporção que nos flagramos olhando para dentro, buscando respostas a perguntas que não tínhamos antes”, comenta Bianca Boeckel.

Fernanda Papa de Boer, “Lolita (ovas de peixe)”, 2017, Óleo sobre tela

Ao explorar diversos meios de expressão – pintura, instalação, vídeo – a artista escolhe o suporte para suas obras de acordo com suas intenções: na pintura, acredita que paixão, força, dor e intensidade são transmitidos em tons fortes, como vermelho, magenta e rosa; no desenho, utiliza o bastão de pastel no sentido de exprimir sentimentos, traços e texturas. “Já na aquarela busco outra intenção com a técnica. Faço muitas camadas sobrepostas para obter o resultado de um espaço dissolvido, constituído de diversas cores lavadas, em que juntas buscam transmitir uma impressão de profundidade. Nas instalações, usualmente, tenciono construir um espaço de convívio, onde o público possa interagir, entrar em um trabalho de arte e questionar ou simplesmente se levar ou estranhar”, complementa Fernanda Papa de Boer.

 

Foto de destaque: Fernanda Papa de Boer,“O Abraço”, 2018, Óleo sobre tela

 

Curadoria de conteúdo: Silvia Balady / silvia@balady.com.br / @ssbalady