Em sua 47ª edição, a Chapel Art Show, com a curadoria de Adriana Rede, homenageia um dos expoentes da arte contemporânea brasileira, tanto pela sua capacidade intelectual quanto por sua trajetória criativa que perdura por mais de quatro décadas: Sergio Fingermann.

Pintor, desenhista, gravador e professor, estudou arquitetura no Brasil, pintura e desenho na Itália, sendo também discípulo de grandes nomes da arte brasileira, como Yolanda Mohalyi e Renina Katz. Conheceu Tarsila do Amaral enquanto criança e se tornou seu amigo. Como bem registra a curadora Adriana Rede, “apesar de seu lado poeta, Sergio acredita sim, na prática, na labuta, no planejamento do trabalho e no estudo sobre o tema. No intervalo de tempo entre o fazer artístico, ele pensa”. O artista mantém os sentidos atentos em uma tentativa de entender o mundo e sua beleza.

A Chapel Art Show, para a edição de 2019, convidou 130 artistas que exibem cerca de 580 obras de arte, entre pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, esculturas, objetos e vídeo, organizados em núcleos condizentes com o conceito da coletiva.

“O resultado de tanto pensar é que tanto o conjunto de sua obra, como cada uma, individualmente, nos faz conversar com nós mesmos”, diz Adriana Rede

Para a 47ª Chapel Art Show, a curadora reuniu cerca de 115 obras de Sergio Fingermann, talvez a mais ampla exposição já montada sobre o artista em terras paulistanas. Suas séries Teatro do Mundo, Se noite fosse água, Elogio ao Silêncio, estão representadas na mostra.

Dando procedimento à tradição do show, todos os alunos da Chapel School terão oportunidade de visitar a coletiva e participar em atividades desenvolvidas pelo Programa Educativo do Art Show, específico para sua faixa etária. Em conjunto com a coordenação curricular de artes, professoras do departamento e diretoras, propõem reflexão e prática sobre as artes visuais, fazendo com que os alunos aproveitem essa galeria de arte contemporânea montada dentro da escola.

O Art Show

A curadora Adriana Rede, para a edição de 2019, convidou 130 artistas que exibem cerca de 580 obras de arte, entre pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, esculturas, objetos e vídeo, organizados em núcleos condizentes com o conceito da coletiva. Agradecendo a confiança dos que participam pela primeira vez, a exposição permite o encontro do público com destaques do circuito artístico nacional, nesse momento representados por nomes como Apolo Torres e Mundano (Núcleo Grafiti e Temáticas Urbanas); Claudia Nen e J. Cunha (Núcleo de Arte Popular e Temáticas Brasileiras); Niobe Xandó, Ricardo Homen, Wanda Pimentel (Seleção de Gravuras) e Alex Cerveny, Cassio Vasconcellos, Eduardo Srur, German Lorca, Hugo França, Jardineiro AndréFeliciano, Jose Spaniol, Juan Esteves, Judith Lauand, Paulo Von Poser, Saint Clair Cemin, Sebastião Salgado (Arte Contemporânea). No Chapel Art Show, os trabalhos estão à venda e após pagos os artistas, todo o lucro obtido na comercialização das obras desta edição será revertido para a escola social Santo Eugênio, em Americanópolis, mantida pela Chapel School.



SERVIÇO

Evento: 47ª Chapel Art Show

Artista Homenageado: Sergio Fingermann

Curadoria: Adriana Rede

Abertura: 17 de outubro de 2019, quinta-feira, às 20h

Período: 18 a 23 de outubro de 2019

Local: Chapel School – http://chapelartshow.com.br/index.php

Endereço: Rua Vigário João de Pontes, 537 – Chácara Flora 

CEP 04748-000 – São Paulo, SP – Brasil – Tel (11) 2101-7400

Horários: das 9h às 21h (durante período do evento) 

Artistas Participantes:130, classificados em 4 segmentos:

Gravuras (36) – Antonio Lizarraga, Arcangelo Ianelli, Arthur Piza, Burle Marx, Carlos Cruz Diez, Carlos Vergara, Claudio Tozzi, Cildo Meirelles, Eduardo Sued, Emanoel Araujo, Gonçalo Ivo, Hercules Barsótti, Julio Le Park, Kleber Ventura, Leon Ferrari, Lothar Charroux, Luis Hermano, Luiz Sacilotto,  Macaparana Manabu Mabe, Maria Bonomi, Maria Helena Andrés, Niobe Xandó, Oscar Niemeyer, Paulo Pasta, Ricardo Homem, Rubem Ludolf, Rubem Valentim, Servulo Esmeraldo, Tomie Ohtake, Wanda Pimentel, Willys de Castro

Maria Bonomi

Arte Popular (7)Antonio Poteiro, Claudia Nen, Henry Vitor, Kanangy J. Cunha, Karleen Renwick, Rinaldo Santi.

Grafiti e Tematicas Urbanas (11) – Apolo Torres, Carlos Matuck, Evandro Prado, Igor dos Santos, Kiko Maldonado, Lucas Barbosa, Mag Magrela, Mundano, Telma Melo, Vermelho–Rinaldo Santiy

Arte Contemporânea (77) – Adriana Conti Melo, Adriana Jobim, Adriana Rocha,Alex Cerveny, Alexandre Frangioni, Alexandre Matos, Almandrade , Amelia Brandelli, Ana Michaelis, AnnemieW, Antonio Henrique Amaral, Betina Samaia, Bia Black, Caciporé Torres, Cassio Vasconcellos, Celia Macedo, Celso Orsini, Cris Rocha, Duda Rosa, Eduardo Haesbaert, Eduardo Srur, Fabio Cardoso, Fausto Chermont, Fernanda Naman, Fernando Araujo, Fernando Ribeiro, Fernando Zarif, Francisco Faria, German Lorca, Gilda Vogt, Henrique Lorca, Hugo Curti, Hugo França, Ivan Padovani, Jardineiro André Feliciano, João Carlos de Souza, José Spaniol, Juan Esteves, Judith Lauand, Juliane Fuganti, Kika Levy, Lena Bergstein, Leopoldo Plentz, Luciana De Donato, Luiz 83, Luiz Martins, Luzia Simons, M Luisa Lobo Editore, Mano Penalva, Manoel Fernandes, Marc Lenko, Marcelo Conrado, Marcus Vinícius, Marilice Corona, Marina Klink, Mario Sergio Lopomo, Nelson Leirner, Neno Ramos, Nicolas Ceva Babikian, Palatnik, Patricia Furlong, Paulo Von Poser, Paulo Whitaker, Regina Carmona, Reynaldo Candia, Ricardo de Vicq, Ronaldo Calixto, Rubens Matuck, Saint Clair Cemin, Sebastião Salgado, Sila Lima, Solange Sandoval, Sonia Menna Barreto, Vera Chaves Barcellos, Vitor Mizael, Yutaka Toyota 

Fausto Chermont

Número de obras: 580

Técnicas: pintura, escultura, fotografia, objetos, gravuras, vídeo 

Dimensões: variadas

Valores: sob consulta

 

Assessoria de Imprensa 

Balady Comunicação – Silvia Balady 

Tel.: (11) 3814.3382 | (11) 99117-7324 – contato@balady.com.br

 

Sergio Fingermann

Sergio Fingermann trabalha desde o final dos anos 70 com pintura, desenho e gravura em metal, construindo imagens que evocam a memória como um acontecimento poético. Os seus trabalhos entrecruzam as linguagens, repetindo temas em diversas técnicas, visando que o conjunto das obras construa um espaço poético, que busca o lirismo através do jogo das imagens.

Tem realizado, ao longo de mais de 40 anos de percurso, exposições individuais e coletivas, entre elas destacam-se as do Museu Nacional de Belas Artes (2007 e 2014), Museu de Arte de São Paulo, Masp (1987 e 1998) e Pinacoteca do Estado de São Paulo (2001 e 2007). Possui obras no acervo dos principais Museus Brasileiros: Museu Nacional de Belas Artes, RJ, Pinacoteca do Estado de São Paulo, MAR Museu de Arte do Rio de Janeiro, Museu de Arte Contemporânea da USP, entre outros. Foi Curador da Mostra Europália ( A Gravura Brasileira) na Bélgica, 2011.

Dirige o Espaço Contraponto, um lugar de interlocuções das Artes Plásticas com a Filosofia, Literatura, Música, Teatro e responde pela curadoria do local. Em episódios mensais, oferece palestras sobre as Artes Plásticas e suas referências.

Em seu ateliê, desde os anos 80, orienta artistas plásticos para a construção de um projeto poético pessoal.

Tem os seguintes livros publicados: 

  1. Pinturas de Sergio Fingermann, BM& F, São Paulo.
  2. Fragmentos de um dia Extenso, BEI, São Paulo.
  3. Elogio ao Silêncio e Alguns Escritos sobre Arte, BEI, SP.
  4. Gravuras: trama de sombras, BEI, SP.
  5. Uma Aprendizagem, BEI, SP.
  6. Se Noite fosse Água, BEI, SP.