Equipe de mulheres Richard Mille: As corredoras de automobilismo, Tatiana Calderón, Katherine Legge e Sophia Floersch posando ao lado do carro de corrida vermelho.
Lifestyle

Vitória Feminina: Equipe Richard Mille faz história no automobilismo

Equipe Richard Mille está fazendo história no automobilismo com Tatiana Calderón, Sophia Floersch e Beitske Visser. A equipe esteve à altura do desafio de competir entre o crème de la crème no esporte de alto risco dominado por homens, o automobilismo.

Vindas da Colômbia, Alemanha e Holanda, respectivamente, as três integram a Richard Mille Racing Team, a equipe feminina do empreendedor francês lançada em colaboração com a FIA WIM (Women in Motorsport).

Como co-fundador da marca de relojoaria suíça de ultra luxo de mesmo nome e presidente da Comissão de Endurance da FIA, Richard Mille é um grande incentivador de mulheres nas corridas, não apenas atrás do volante, mas também nos bastidores com engenheiras, mecânicas e estrategistas.

Durante anos, ele buscou oportunidades iguais para as mulheres competirem no mais alto nível do esporte. Com a estreia de sua equipe em 2020, as mulheres agora têm a chance de ser reconhecidas por sua paixão e habilidade na pista, especialmente em corridas de resistência.

“Nosso projeto de construir uma equipe Richard Mille é verdadeiramente o início de uma grande e bem-sucedida aventura, que finalmente abrirá as portas da corrida de resistência (endurance) e do automobilismo para as mulheres”, disse Richard Mille em um comunicado.
Equipe de mulheres Richard Mille: Duas mulheres vestidas com traje de corrida completo conversando.

Sophia Floersch – Le Mans 2020

Em julho de 2020, a equipe começou a correr, competindo no prestigiado Le Mans europeu. Esta série de corridas de alto nível inclui as famosas 24 Horas de Le Mans – a competição de carros esportivos mais antiga do mundo e uma das corridas de automóveis mais radicais – que aconteceu em setembro.

Acelerando uma máquina Oreca 07 Gibson vermelha 50th, Calderón, Floersch e Visser foram as primeiras mulheres na história a competir no nível LMP2, com velocidade média de 230 km/h durante a competição de 24 horas. Signatech, a empresa de automobilismo francesa e vencedora do último Le Mans, comandou a tripulação da feminina da Mille.

A equipe dedicou a corrida de Le Mans ao Instituto do Cérebro de Paris (Institut du Cerveau), onde especialistas de todo o mundo pesquisam tratamentos e novos protocolos para tratar doenças cerebrais e espinhais.

“O Instituto do Cérebro de Paris é uma causa importante para apoiarmos”, diz Amanda Mille, filha de Richard e chefe da clientela da empresa, que fica na sede em Paris. “Nós o apoiamos há alguns anos e, colando seu logotipo no carro, esperamos aumentar a conscientização e trazer pessoas para apoiá-los, fazendo doações para ajudar na pesquisa.”

Embora os resultados em Le Mans tenham sido impressionantes, a primeira temporada da equipe não foi fácil. A pandemia apresentou seus próprios desafios, incluindo o adiamento da corrida de 24 horas que estava inicialmente prevista para junho.

Além do mais, Katherine Legge, uma veterana britânica da IndyCar e capitã original da equipe, se machucou em um acidente durante uma sessão de testes para a primeira rodada de Le Mans no circuito Paul Ricard em julho, depois substituída por Visser. Este revés apresentou à equipe menos oportunidades de correr antes das 24 Horas de Le Mans acontecerem.

“Temos que lembrar que nenhuma delas correu na LMP2 antes do início desta temporada, e as três eram ‘estreantes’ nas 24 Horas de Le Mans, conhecida por ser uma das corridas mais complicadas de resistência, afirma Amanda Mille, que também tem sido fundamental na organização da equipe, assumindo a função de coordenadora do projeto,“ apoiando o lado humano mais do que qualquer outra coisa ”.

Nas 24 Horas de Le Mans, o trio terminou em 13º geral (LMP1, LMP2 e GT) e 9º na categoria LMP2. Em outubro, no circuito de Monza, fora de Milão – muitas vezes referido como o “Templo da Velocidade” – elas ficaram entre as 10 primeiras. De acordo com Amanda Mille, a equipe teve um trabalho incrível e “elas escreveram uma nova página na história, e de forma brilhante.”

Equipe de mulheres Richard Mille: As corredoras de automobilismo, Tatiana Calderón, Katherine Legge e Sophia Floersch posando ao lado do carro de corrida vermelho.

Tatiana Calderón, Katherine Legge e Sophia Floersch – Le Mans

Foi a primeira vez desde 1977 que tivemos mais de uma equipe feminina na disputa. O time é liderado pela britânica Katherine Legge, de 39 anos que neste ano disputou a Le Mans Series.

 

Adaptação Reside

Clique aqui e confira a matéria original.

Posts relacionados
Lifestyle

Entenda como kitesurf impulsiona uma nova era no Nordeste

Executivos encontram no esporte uma paixão pelo mar e oportunidades de negócios na Praia do…
Ler mais
Lifestyle

Conheça a arte secular da alfaiataria com Vasco Vasconcellos

Em seu ateliê em São Paulo, o alfaiate molda a elegância há 35 anos e cria peças exclusivas que…
Ler mais
Lifestyle

Paris 2024: Descubra os encantos da cidade olímpica

De castelos históricos a estádios modernos, conheça todos os locais olímpicos As…
Ler mais