Lifestyle

“O bom, o mau e o maravilhoso”: o lendário romance de Joanne Woodward e Paul Newman

Um dos casais mais icônicos de Hollywood, Joanne Woodward e Paul Newman mudaram-se para Westport, Connecticut. Agora, 300 objetos de sua lendária parceria – relógios, coleção de filmes, fotografias e muito mais – oferecem uma rara janela para suas vidas pessoais e profissionais

Em uma cidade conhecida por casos tórridos, desgostos frequentes e divórcios dramáticos, o casamento de 50 anos de Joanne Woodward e Paul Newman é uma lenda de Hollywood. Parceiros no trabalho, no amor e na vida até a morte do ator em 2008, seu romance era famoso por sua profundidade, sinceridade e intensidade. A dupla tinha até uma cama em sua casa em Beverly Hills apropriadamente chamada de “Fuck Hut” – um dos muitos itens incluídos em A Life & Legacy: The Joanne Woodward & Paul Newman Collection, uma coleção de mais de 300 objetos da vida do casal à venda em três leilões no mês de junho.

Essa paixão permaneceu bem conhecida na cidade onde fizeram suas carreiras, mesmo quando se estabeleceram em Connecticut durante seus últimos anos; o ator Ansel Elgort, conhecido por “A Culpa é Das Estrelas”, disse uma vez à revista Town and Country como seu motorista contou que conduzia Newman e Woodward enquanto eles se beijavam no banco de trás do carro.

Casa de Joanne Woodward e Paul Newman

Quando tudo começou

Claro, houve muito drama de Hollywood no início de seu relacionamento. Quando eles se conheceram, em 1953, como substitutos na peça da Broadway, Picnic, Newman era casado e tinha três filhos, enquanto Woodward namorava Gore Vidal e Marlon Brando. Ainda assim, a atração entre eles borbulhava enquanto construíam uma amizade. Em 1957, a dupla co-estrelou o filme “O Mercador de Almas”; quando o longa chegou aos cinemas em 1958, eles já estavam casados.

“Joanne deu à luz uma criatura sexual. Sou simplesmente uma criatura inventada por ela”, escreveu Newman em seu livro de memórias publicado postumamente, baseado em parte em entrevistas que conduziu com o amigo e roteirista Stewart Stern. (As transcrições foram consideradas perdidas até serem descobertas em um armário na casa do casal; elas foram publicadas em 2022, de acordo com uma linha do testamento de Newman que permitia que seus filhos divulgassem sua biografia).

“Havia uma cola que nos mantinha juntos no passado e pelo resto de nossa vida juntos. E essa cola era esta: tudo parecia possível. O bom, o mau e o maravilhoso.” – Frase de Paul Newman em “A Vida Extraordinária de Um Homem Comum”.

Woodward ganhou um Oscar de Melhor Atriz no mesmo ano em que se casaram e, quando o casal chegou aos 30 anos, seus arcos de carreira se cruzaram e a estrela de Newman subiu meteoricamente. Eles tiveram três filhas – Nell, Melissa e Clea – entre 1959 e 1965, período em que ela apareceu em sete filmes, incluindo uma adaptação do romance de William Faulkner (O Som e a Fúria), e ele em treze, incluindo “O Som e a Fúria” e “O Indomado”, que o lançariam à imortalidade.

Paul Newmand e Joanne Woodward na década de 60

Suas colaborações nunca diminuíram. Woodward estrelou a estreia na direção do marido, “Raquel, Raquel”, de 1968 – e recebeu uma indicação ao Oscar por isso. O casal continuou a trabalhar juntos profissionalmente por seis décadas consecutivas. Eles compartilhavam muito mais, é claro, como uma paixão pelos direitos civis e um zelo pela política liberal – cartas e lembranças dos presidentes Clinton e Carter são abundantes em sua coleção e, ironicamente, uma cópia emoldurada da lista de inimigos de Nixon com o nome de Newman nele.

A paixão de Newman pelas corridas

Uma parte de sua vida pela qual eles não compartilhavam entusiasmo, no entanto, eram as corridas de automóveis. Newman foi mordido pelo inseto das corridas aos 40 anos – ironicamente, enquanto trabalhava em um filme sobre um piloto de corrida no qual Woodward interpretou sua esposa frustrada – e passou a dirigir por décadas, competindo nas 24 Horas de Le Mans e muitas outras provas, mesmo acumulando subidas em pódios. Cem artefatos de sua carreira como piloto são oferecidos no leilão da RM Sotheby’s High Speed: Paul Newman’s Racing Legacy. Woodward, por sua vez, deixou claro seus sentimentos ao presentear o marido com um Rolex escrito “Drive Very Slowly” – dirija bem devagar, em tradução livre. Esse Rolex (uma ref. 116519), incluído no leilão Important Watches, que acontece 9 de junho foi um dos vários Daytonas de propriedade de Newman que consolidou seu legado na relojoaria e estabeleceu o modelo como um dos relógios mais cobiçados de todos os tempos.

A filantropia como aliada na vida

Sua filantropia era lendária. O jornal The Economist escreveu em seu obituário que Newman foi “o indivíduo mais generoso, em relação à sua renda, na história dos Estados Unidos no século 20”. Como Newman disse em suas memórias: “A coisa mais fácil que posso fazer, francamente, é doar dinheiro”.

E embora o casamento de 50 anos tenha sido um tema de domínio público – em uma entrevista de 1998 com Larry King, Newman atribuiu a longevidade da relação a uma mistura de “luxúria e respeito, paciência e determinação” – é impossível negar a pureza do amor e espírito que os manteve juntos durante tudo isso.

“O que finalmente resta é, se você pode fazer alguém rir”, Woodward disse uma vez. “E ele com certeza me faz rir”.

Para mais informações sobre o leilão Important Watches, de Paul Newman, acesse o site da Sotheby’s Internacional.

Posts relacionados
Lifestyle

Entenda como kitesurf impulsiona uma nova era no Nordeste

Executivos encontram no esporte uma paixão pelo mar e oportunidades de negócios na Praia do…
Ler mais
Lifestyle

Conheça a arte secular da alfaiataria com Vasco Vasconcellos

Em seu ateliê em São Paulo, o alfaiate molda a elegância há 35 anos e cria peças exclusivas que…
Ler mais
Lifestyle

Paris 2024: Descubra os encantos da cidade olímpica

De castelos históricos a estádios modernos, conheça todos os locais olímpicos As…
Ler mais