Não há branco, não há preto. Não há radicalismos. Não há fronteiras. Mas também não há cinzas ou zonas neutras. Não se percebe onde acaba um e começa o outro.  As cores se perdem umas nas outras, criando um efeito gráfico cuja personalidade resulta exatamente desse degradê.

Em várias áreas da criação o faded se vê representado. Nas artes gráficas, nas artes plásticas, o efeito gráfico do faded é o ponto chave da criação. Como se fosse ele o fio condutor da narrativa. É ele que conta a história. Uma história de intersecção, ou de cruzamento de cores que vão sem fronteiras.

Palette 3, Shade, Nani Marquina

No Design de interiores e em particular na coleção de tapetes ‘Shade’ da marca espanhola Nani Marquina, a jovem criadora turca Begum Cana quis passar um sentimento de serenidade. Criou uma coleção de 4 tapetes, baseada em 4 paletes de cores num degradê de tons fortes e envolventes inspirados nas cores da natureza.

As tempestades, a vegetação verdejante, os tons quentes da terra ou os azuis dos mares profundos são representados na coleção ‘Shade’. Aqui as cores convergem na vertical e na horizontal.  Se diluem umas nas outras e deixam pura emoção nos tapetes.

Tabriz Canal Sky Rocked, Erased Heritage, Jan Kath 

O faded se vê num outro sentido. O designer alemão Jan Kath, na coleção ‘Erased Heritage’ apaga gradualmente a tradição dos desenhos ícones dos tapetes turcos. Jan dissipa no tempo a primeira história do tapete, criando uma desconstrução desse legado e transformando-o em algo de novo.

 

Foto de destaque: Coleção Shade, Nani Marquina

 

Assinatura: QuartoSala – Home Culture