ArquidecorArquitetura e Decoração

O que há de novo e o que vem por aí no home design

Para descobrir as tendências que estão se consolidando no mercado, a Sotheby’s International conversou com cinco designers apontados pela revista Architectural Digest como os principais talentos na lista anual ‘AD100’

Muitos fatores podem moldar a aparência dos espaços. Embora a preferência do proprietário, a moda e o avanço tecnológico desempenhem um papel, talvez seja o espírito da época cultural que mais influencia a estética da casa.

Confira o depoimento dos especialistas.

Young Huh

Fundador da Young Huh Interior Design e membro da Cosentino Design Alliance

“À medida que olhamos para o que moldará o futuro do design, a sustentabilidade se tornará um foco ainda maior. Conforme os clientes se preocupam cada vez mais com os resíduos, será fundamental apoiar o ambiente natural e selecionar materiais que atendam a essas preocupações, tendo um efeito cascata na indústria.

Mais do que nunca, estamos vendo um nível de qualidade em produtos sustentáveis ​​que são mutuamente benéficos, como superfícies como o HybriQ by Silestone da Cosentino, que utiliza tecnologia para reduzir o impacto ambiental, mantendo ao mesmo tempo um nível incrível de durabilidade, longevidade e estilo que os proprietários adoram. A sustentabilidade não é mais algo pelo qual devemos nos sacrificar, é algo que pode ser alcançado em casa e veio para ficar.

Estamos avançando em direção a tons de cores naturais, como as cores de parques e jardins. Especificamente o verde, que raramente era usado em interiores, é uma cor muito popular atualmente. Outras cores que vemos demandas, são inspiradas na natureza – cores das montanhas, do pôr do sol, do deserto e do mar. Por exemplo, os clientes estão gravitando em torno de ferrugem, creme, marrom sela, azul, verde mar e areia”.

Brian Pinkett

Sócio da Landry Design Group Inc.

“Nas redes sociais, as pessoas estão vendo muitas coisas que orientam suas decisões. Tentamos trazê-los de volta ao seu eu emocional e descobrir o que eles realmente procuram, o que os fará felizes e o que será certo para sua família. A cor, por exemplo; é muito emocional e influencia o humor e o comportamento. Se for usado corretamente, pode dar uma perspectiva totalmente nova à casa. Estamos avançando no uso de cores não apenas porque são bonitas, mas porque funcionam energeticamente para o cliente e são intencionais e objetivas.

As pessoas querem espaços familiares mais abertos, mas também querem espaços recreativos e privados – salas de recreação, salões, locais para se divertir, mas nem sempre todos juntos. Em quase todos os projetos, colocamos ilhas duplas que unem as famílias visualmente, mas as separam fisicamente. Adicionar uma ilha extra traz as pessoas para a cozinha, mas também as mantém distantes o suficiente para que não fiquem no mesmo espaço.

Uma ligação interior-exterior também está se tornando um pilar. As clarabóias estão ficando mais criativas em forma e escala. Os clientes pedem mais janelas, mas também querem proteção do sol. Estamos começando a usar vidros especiais que são como óculos de sol de transição, ou seja, quando o sol bate, fica mais escuro. É uma ótima opção para quando você não quer cortinas e pode configurar para tingir automaticamente quando o sol bate e também pode substituí-lo por controles. Ele cria uma barreira térmica automatizada”.

Nicole Hollis

Fundadora da NICOLEHOLLIS Inc. design de interiores

“Estou vendo muitas referências à interiores maximalistas, com camadas de tecidos luxuosos e estofados e móveis esculpidos e moldados por artistas, para um visual colecionado com foco em obras de arte em cerâmica e arte em fibra. Há mais atenção aos materiais orgânicos e naturais, às texturas imperfeitas e à mão visual do artista, ou seja, cerâmica, madeira esculpida, material feltrado e pedra natural. O ilusionismo visual e as marcações que mostram o toque humano conferem ao trabalho humanidade e honestidade. Exemplos de artistas incluem Katherine Glenday, Jerome Pereira e Nic Webb. 

Créditos: Luxury Outlook

Estamos focados em materiais e tecidos de alta qualidade que sejam seguros para todos usarem em suas casas e para o meio ambiente. Acabei de ver uma grande exposição na Galeria Fumi, em Londres, com obras de Max Lamb em papelão. Os artistas procuram formas de se desafiarem, trabalhando com materiais que são reaproveitados e reutilizados e utilizando novas técnicas”.

Robert Stilin

Fundador da Robert Stilin Interiores

“Os clientes querem se sentir confortáveis ​​em todos os lugares. Eles querem que seu quarto seja confortável. Eles querem que sua cozinha seja confortável. Eles querem que sua sala de jantar seja confortável. Tenho um cliente que deseja ter um sofá ou algum tipo de espreguiçadeira em seu escritório e no banheiro de cada casa que possui. Para outro cliente, o local onde eles leem é importante – portanto, a iluminação e os assentos são fatores importantes. O design está se tornando mais cuidadoso. As pessoas estão dedicando mais tempo para realmente pensar sobre como desejam que as coisas sejam.

Acrescentar história a um novo espaço é algo que fazemos cada vez mais. Por exemplo, usamos muitos pisos recuperados porque não parecem novos. Fazemos uma espécie de história, uma espécie de pátina através de materiais como pedra antiga recuperada e mármore, que criam uma justaposição contra aquela nova sensação, que pode ser muito fria. Outra técnica que estamos usando é forrar as paredes com um tecido novo, mas desbotado, para que pareça usado. Trata-se de preencher a lacuna entre o antigo e o novo para que seja confortável, atemporal e tenha alma.”

Brian Sawyer

Cofundador da Sawyer | Berson

“Houve um retorno à fé no processo de design. Nossa esperança para o futuro previsível dos interiores é que eles acompanhem nossa abordagem de design – não uma marca registrada de estilo, mas sim o progresso do design para cada usuário, seja isso sustentabilidade, invocando inteligência artificial para casas inteligentes ou permitindo espaços para diversificar organicamente em uso e função para acomodar necessidades atemporais.

Está emergindo uma reavaliação do “móvel castanho”, no que diz respeito ao estilo, ao artesanato e à história, juntamente com a sua fonte e proveniência originais. Trata-se principalmente de móveis ingleses, continentais e americanos dos séculos XVII e XVIII, feitos tipicamente de mogno ou nogueira. As madeiras nobres usadas naquela época são de fontes antigas e durarão centenas de anos a mais, como duraram nos últimos 200 a 300 anos. 

Créditos: Luxury Outlook

O vidro continuará se desenvolvendo de maneiras que ainda não imaginamos como material arquitetônico e estrutural. Estamos entusiasmados em ver novos materiais de vidro que são mais robustos, duradouros e adaptáveis ​​do que o vidro convencional. Isto se soma às inovações para tornar a fabricação de vidro sustentável a longo prazo, eliminando o uso de materiais de lote contendo carbono. Também estamos ansiosos para ver materiais de cobertura fotovoltaicos mais esteticamente apropriados, como as telhas. Os atualmente fabricados pela GAF ou pela Tesla, embora úteis até certo ponto, ainda não agradam aos olhos e, em termos de eficiência, deixam muito a desejar.”

Confira o relatório na íntegra no site da Luxury Outlook.

Posts relacionados
ArquidecorArquitetura e Decoração

Especial CASACOR 2024: Renata Guastelli comanda revolução dos espaços verdes

Paisagista estreia no evento trazendo inovação através de espaços verdes, conquistando…
Ler mais
ArquidecorArquitetura e Decoração

Especial CASACOR 2024: Blaia e Moura mostram que a sinergia entre duas mentes pode criar algo extraordinário

Conheça a trajetória e os detalhes do projeto ‘A Resposta’ da dupla de arquitetos que…
Ler mais
ArquidecorArquitetura e Decoração

Especial CASACOR 2024: Romário Rodrigues se destaca como o primeiro arquiteto cearense na mostra

Aos 29 anos, o profissional chama atenção no cenário arquitetônico do Brasil e nos EUA…
Ler mais